segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Mais um

Pois é, está a acabar-se. Felizmente não é o vinho! É o ano!
Feliz 2008, com boa comida e bom vinho!

tuguinho e Kroniketas, enófilos e mainada!

P.S. - este blog está mesmo, mesmo a ultrapassar o Krónikas Tugas no número de visitas e em metade do tempo! Se um de nós assinasse como "cínico encartado" até podia dizer que afinal isto era um país de bêbados sisudos, mas nem quero acreditar nisso. Os tugas não são sisudos!

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

No meu copo, na minha mesa 155 - Moinhos do céu, Cabernet Sauvingon 2005; O Fuso (Arruda dos Vinhos)










Num fim-de-semana de vindimas meti-me no carro com a família e fomos passear pela Estremadura, à descoberta de lugares desconhecidos. Primeiro objectivo: Arruda dos Vinhos para almoçar no Fuso.
Lá chegados encontrámos logo num balcão a famosa posta de bacalhau de que já tínhamos ouvido falar. Mas encontrámos também uma volumosa e apetitosa costela de boi tamanho-gigante!
Entrámos numa sala de grande dimensão, que foi enchendo com o avanço da hora mas que mesmo assim ainda ficou com lugares livres. E ainda há outras salas ligadas à primeira, pelo que mesmo em dias de grande afluxo de clientes, como era o caso, é possível que se consiga arranjar lugar sem marcar mesa.
Outro aspecto que me chamou a atenção logo na entrada foi a existência de armários de vinho, onde este é guardado a temperatura controlada. Uma raridade nos restaurantes portugueses, que evita que venha para a mesa vinho morno...
Perante a vasta oferta gastronómica, os olhos do cliente balançam entre as postas de bacalhau e as costelas de boi. Como sou mais carnívoro consegui convencer a família a escolhermos a costela de boi grelhada. E veio uma peça enorme, muito alta e mal passada (só eu é que a consegui comer assim, o resto voltou para trás para passar melhor), em cima duma tábua donde se corta directamente para o prato. A carne é de altíssima qualidade, deliciosa e suculenta. Ideal para comilões. Deu para quatro e ainda sobrou.
O serviço é bastante expedito para a dimensão do restaurante, a confecção boa. Ficaram-nos ainda no olho as travessas de bacalhau assado na brasa, com batatas e regado com azeite, que também parecem dar para umas 4 pessoas. É um lugar a revisitar quando se tiver tempo para uma refeição longa e despreocupada.
Para beber pedi um vinho da região, da região de Arruda. Chamou-me desde logo a atenção a existência dum Cabernet Sauvignon (como sabem sou fã destes vinhos) e resolvi experimentar. Chama-se Moinhos do Céu e não me desiludiu. Aliás, os vinhos de Cabernet normalmente não me desiludem. De cor granada, mostrou o aroma ligeiramente vegetal que normalmente está associado a esta casta, mas sem sombra dos famigerados pimentos de que tanto se fala. Mostrou fruto bem maduro, taninos redondos e uma boa estrutura na boca sem deixar de ter alguma elegância, com um final de persistência média. Um vinho tranquilo mas suficientemente pujante para se bater bem com a carne grelhada. Estagiou 7 meses em barricas de carvalho francês e 4 meses em garrafa.
Terminada a refeição, demos uma volta pela localidade antes de nos fazermos de novo à estrada, em direcção a Sobral de Monte Agraço. Pelo caminho fomos passando por diversas vinhas situadas junto à estrada, numa zona profusamente preenchida por esta cultura. Estávamos, portanto, no coração da região vitivinícola da Estremadura, tendo passado à porta de propriedades conhecidas como a Quinta de Chocapalha, a Quinta do Gradil e a Casa Santos Lima. Mas fomos seguindo até encontrar a Quinta do Monte d’Oiro. Chegámos à porta e tocámos à campainha. Era sábado. Ninguém respondeu. Estava tudo fechado. Mais tarde, no Encontro com o Vinho, tive oportunidade de perguntar ao próprio José Bento dos Santos se a quinta estava mesmo fechada ao sábado, e fiquei a saber que só mesmo com marcação prévia é que poderia encontrar lá alguém ao fim-de-semana, ou se estivessem em vindima. Portanto, para lá voltar só durante a semana.
Voltámos assim à estrada e dirigimo-nos para Alenquer. Pelo caminho deparámos com uma placa a indicar a Quinta de Pancas e resolvemos entrar. Encontrámos uma propriedade que parece meio degradada e abandonada. Ao que nos explicaram dois estagiários que lá estavam, a empresa passa por dificuldades financeiras, pelo que depois do capital da quinta ter mudado de mãos (adquirida pela Companhia das Quintas) estão a ser feitas remodelações a vários níveis, pelo que de momento está-se numa fase de transição. De qualquer modo esperava encontrar um espaço um pouco mais bem cuidado. Ainda vimos uma cuba de fermentação onde repousava um lote de uvas Syrah e uma cave de armazenamento, mas acabou por ser um pouco decepcionante o panorama que encontrámos, tendo em conta que é uma casa com vinhos conceituados.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Restaurante: O Fuso
Rua Cândido dos Reis, 94
2630-216 Arruda dos Vinhos
Telef: 263:975.121
Preço médio por refeição: 25/30 €
Nota (0 a 5): 4

Vinho: Moinhos do Céu, Cabernet Sauvignon 2005 (T)
Região: Estremadura (Arruda)
Produtor: Adega Cooperativa de Arruda dos Vinhos
Grau alcoólico: 12,5%
Castas: Cabernet Sauvignon
Preço no restaurante: 10 €
Nota (0 a 10): 7,5

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

É Natal, é Natal...

(acho que já usámos este título...)

Pensavam vocês que iríamos postar um cartão de natal por aqui? Pois pensaram mal porque, fazendo jus ao nosso cognome de diletantes preguiçosos, só o postámos no Krónikas Tugas...
Vá lá, não custa nada, é mesmo aqui ao lado...

Boas Festas para todos!

tuguinho e Kroniketas, os tal e tal, é escusado repetir

sábado, 22 de dezembro de 2007

Gala de Aniversário das Krónikas

Os episódios da festa estão nas Krónikas Tugas.
Depois não digam que não foram avisados...

tuguinho, enófilo certinho

Krónikas do Alto Alentejo (VII)

No meu copo, na minha mesa 154 - Monte das Servas, Escolha 2005; Adega do Isaías (Estremoz)
Num trajecto de fim-de-semana para Portalegre, parei em Estremoz para almoçar na Adega do Isaías. Era sábado e antes do meio-dia telefonei para marcar uma mesa para 6, mas já não havia, o que diz bem da procura por este local emblemático da cidade. Arriscámos à mesma e fomos procurá-lo. Fica numa rua estreita perto do centro turístico e é relativamente fácil lá chegar a pé (e o Mappy dá uma ajuda). Quase não se dá por ele quando se encontra um local com gente à porta e lá está escrito o nome.
Não havia mesas nem lista de espera, mas resolvemos ficar. Era tarde para tentar outro local. Quando finalmente nos sentámos, após quase uma hora de espera, já havia uma fila na rua. À entrada um grelhador junto á montra. O acesso faz-se por uma passagem estreita. A sala é ao fundo, com mesas corridas e bancos corridos de madeira. Não há janelas nem ventilação. Todos os cheiros dos grelhados ficam impregnados na sala, que começa a ficar com fumo. Dá ideia que era uma taberna que começou a servir petiscos e foi crescendo até se tornar um restaurante com serviço à carta. Mas o estilo continua a ser de adega.
Para o repasto escolhemos migas de espargos com carne do alguidar, burras de porco (o mesmo que as bochechas só que com todo o osso junto) com batatas assadas e depois ainda foi necessário mandar vir um reforço com plumas de porco preto.
As burras não eram muito fartas, pois metade era osso, mas estavam saborosas. Acabaram-se depressa. As migas com carne também apaladadas, mas as plumas que vieram no fim estavam salgadas.
Nas sobremesas, dois clássicos do Alentejo: encharcada e sericaia. Eu optei pela encharcada, um dos meus doces favoritos. Irrepreensível.
O serviço de vinhos também está próximo da taberna. Pedimos um Monte das Servas Escolha, ali de perto, mas os copos eram quadrados, iguais aos da água. Ainda pedi copos para vinho e trouxeram outros iguais. Desisti, não valia a pena explicar o que queria, apesar de haver mesas à volta a beber vinho em copos decentes.
Este Monte das Servas, que há alguns anos conheci com outro rótulo, parece agora mais estilizado. Mais frutado, com mais especiarias, mais taninos e persistência. No entanto, aparece como mais um vinho carregado de álcool. Bateu-se bem com os pratos deglutidos, mas temo que se torne um pouco cansativo.
Quando bebi este vinho pela primeira vez, era muito carregado, muito encorpado, com aromas mais fechados, pujante e com boa persistência mas sem ser agressivo. Agora o álcool abafa quase tudo. Confesso que começo a ficar um pouco saturado destes vinhos com 14 graus, o que no Alentejo é corriqueiro. Felizmente, parece que a tendência está a desaparecer, para que voltemos a ter mais aromas e mais vinhos diferenciados. Com tanto álcool, tanta concentração e tanta fruta, começo a não conseguir distingui-los uns dos outros.
Acabámos por sair sem perceber bem as razões de tanta fama para este restaurante. A comida não é nada de extraordinário, o serviço tão-pouco, e as condições de segurança deixam muito a desejar. Não há portas de emergência, não há janelas, toda a gente está acantonada no fundo da sala, donde se houver um acidente não se consegue sair, pois o único acesso é estrangulado. Pode ter sido uma casa muito típica que fez o seu nome assim, mas actualmente não me pareceu que marque a diferença.

Kroniketas, enófilo itinerante

Restaurante: Adega do Isaías
Rua do Almeida, 21
7100-537 Estremoz
Telef: 268.322.318
Preço médio por refeição: 14 €
Nota (0 a 5): 3

Vinho: Monte das Servas, Escolha 2005 (T)
Região: Alentejo (Estremoz - Borba)
Produtor: Herdade das Servas
Grau alcoólico: 14%
Castas: Aragonês, Touriga Nacional, Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon
Preço em feira de vinhos: 4,48 €
Nota (0 a 10): 7

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

No meu copo 153 - Reguengos Garrafeira dos Sócios, 96 e 2000

Há muitos anos, no Edmundo de Benfica (na esquina da Estrada de Benfica com a Avenida Gomes Pereira), estávamos nos primórdios das incursões vinícolas, eu e o Mancha pedimos um Esporão para acompanhar um naco na pedra ou uma costeleta de vitela grelhada. Na altura havia, basicamente, quatro regiões conhecidas: Borba, Redondo, Reguengos e Vidigueira. De Portalegre pouco se falava, de Évora ainda menos e os produtores mais conhecidos eram sobretudo adegas cooperativas. No Douro havia uma meia-dúzia de vinhos de mesa, no Ribatejo era carrascão e na Estremadura havia muito... e mau. Dão, Bairrada e Península de Setúbal eram zonas vitivinícolas de referência.
O Esporão era já um vinho de referência e um dos melhores do Alentejo, senão mesmo o melhor da época. Mas não havia... O chefe sugeriu-nos um outro que disse ser parecido. O seu nome: Garrafeira dos Sócios, da Cooperativa de Reguengos de Monsaraz. Aceitámos com alguma relutância mas em boa hora o fizemos, porque nos deu a conhecer um vinho que, à época, nos encantou. Uma suavidade extraordinária, um bouquet profundo, um certo aroma floral e um corpo de grande elegância. Imediatamente o equiparámos ao Esporão em qualidade!
Durante vários anos este tornou-se o nosso vinho preferido. O Mancha dizia que este vinho era veludo, e de facto era. Merecia sempre nota máxima. Lendo o contra-rótulo ficámos então a saber que era uma produção especial para os sócios da cooperativa, com uvas seleccionadas, e só depois de estes se terem abastecido o restante era colocado no mercado. Até hoje continua a ser assim.
Com o tempo fomos conhecendo muitos outros vinhos, as referências foram aumentando e o gosto foi-se alterando, o próprio perfil do vinho foi-se alterando, acompanhando um pouco as tendências da moda, e o Garrafeira dos Sócios deixou de ter o protagonismo nas nossas preferências que antes tinha, mas nunca perdeu um lugar de destaque. É certo que hoje o bebemos muito menos vezes do que há 10 anos mas ele está sempre lá, nas nossas garrafeiras, e voltar a degustá-lo é como reencontrar um velho amigo que não se vê há muitos anos, ou ouvir uma daquelas músicas antigas dos grupos que fizeram as delícias da nossa juventude.
Há algum tempo tive oportunidade de provar a colheita de 2000. Voltou a encantar-me. Continua com aquela suavidade que lhe conhecia, uma bela cor rubi carregada, um leve amadeirado sem ser em excesso, final longo e sedoso, tudo muito equilibrado e harmonioso.
Mas a grande surpresa aconteceu precisamente esta noite, num jantar em Portalegre, no restaurante A Gruta, de que darei conta qualquer dia (há vários artigos para publicar antes...). Em exposição estavam, entre vastas dezenas de garrafas, algumas garrafas de Garrafeira dos Sócios de 96. Ficámos na dúvida. Um vinho com esta idade... Perguntei ao chefe se achava que o vinho estaria bebível. Experimentámos num copo de prova. Começou por apresentar um tom acastanhado, sinal de evolução avançada que muitas vezes não augura nada de bom. O primeiro aroma mostrou os mesmos sinais, de que já tinha passado o ponto óptimo. Resolvemos esperar pela decantação e deixá-lo respirar enquanto fomos bebericando em copos de boca larga. Aos poucos os aromas foram-se libertando e ficando mais limpos. A melhoria foi evidente e passada cerca de meia-hora ele aí estava em todo o seu esplendor. Era este o Garrafeira dos Sócios que eu conhecia há 10 anos. Macio, aromático, suave, verdadeiro veludo. Até chamámos o chefe Felício para o provar e o veredicto foi o mesmo: fantástico.
Um vinho que se impõe pela diferença. Enquanto outros (a maioria) primam pelo frutado, pela pujança, pelo corpo e pelo álcool, este prima pela elegância, pela delicadeza, pela suavidade, sem perder os traços marcantes de um vinho alentejano. Um dos raros vinhos que actualmente se destacam dos demais, por isso é um vinho que continuamos a beber com verdadeira paixão.
Só me espanta que seja tão pouco falado, pois é dos poucos onde ainda se podem procurar traços que não sejam só de fruta, especiarias, álcool ou madeira. Não é um vinho da moda, e ainda bem. Oxalá continue assim.

Kroniketas, enófilo esclarecido

PS: Para tranquilizar os espíritos mais inquietos, o vinho branco que se vê nos copos não é, definitivamente, o Garrafeira dos Sócios... :-)

Região: Alentejo (Reguengos)
Produtor: Carmim (Coop. Agrícola de Reguengos de Monsaraz)
Castas: Aragonês, Castelão, Trincadeira
Preço em feira de vinhos: 9,95 €

Vinho: Reguengos Garrafeira dos Sócios 96 (T)
Grau alcoólico: 13%
Nota (0 a 10): 9

Vinho: Reguengos Garrafeira dos Sócios 2000 (T)
Grau alcoólico: 13,5%
Nota (0 a 10): 8,5

domingo, 16 de dezembro de 2007

Krónikas do Alto Alentejo (VI)

No meu copo, na minha mesa 152 - Dom Martinho 2004; Restaurante Poeiras (Portalegre)
Mais uma visita gastronómica em Portalegre. Desta vez não foi nenhuma escolha preparada, tratava-se apenas de encontrar um local para jantar. Passando à porta de alguns, olhando lá para dentro e para a ementa, escolhemos um em pleno centro histórico, ao lado do Governo Civil, na Praça da República, local de esplanadas, bares e estudantes, talvez o local mais movimentado na pouca animação nocturna da cidade.
Franqueadas as portas de vidro, deparámo-nos com um restaurante de aspecto mais ou menos comum, onde duas televisões transmitiam um jogo de futebol do campeonato, de dimensão média, sem grandes sofisticações mas acolhedor.
A ementa não é muito vasta mas a oferta é simpática. Comecei por uma cremosa sopa de feijão generosamente servida no prato fundo, enquanto esperava por umas bochechas de porco estufadas com batatas salteadas. A carne estava tenríssima e muito saborosa, separada dos ossos, em dose avantajada que ainda dava para outra refeição.
Para sobremesa havia a tentação da encharcada, mas foi escolhido um caseiro Doce São Bernardo, feito à base de amêndoa, ovo e canela. Um doce muito consistente, algo enjoativo como acontece muitas vezes com os doces de amêndoa, mas agradável de comer se não for em quantidade exagerada.
Em resumo, outro restaurante onde se pode almoçar ou jantar com qualidade, ter um bom atendimento e não pagar um preço excessivo.
Para acompanhar continuei nos vinhos norte-alentejanos, desta vez descendo um pouco até Estremoz, concretamente à Quinta do Carmo. Escolhi o parente mais pobre do Quinta do Carmo, um Dom Martinho de 2004, que deve o seu nome a uma parcela da Quinta do Carmo com o mesmo nome.
É um vinho frutado e com algum aroma floral, com corpo e final médio. Não apresenta nenhuma característica que se destaque, pelo que se fica pela mediania. Bebe-se com facilidade, não desagrada e também não encanta.

Kroniketas, enófilo itinerante

Restaurante: Poeiras
Praça da República, 9 a 15
7300-109 Portalegre
Telef: 245.201.862
Preço médio por refeição: 12 €
Nota (0 a 5): 3,5

Vinho: Dom Martinho 2004 (T)
Região: Alentejo (Estremoz - Borba)
Produtor: Quinta do Carmo
Grau alcoólico: 13,5%
Castas: Aragonês, Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon, Syrah
Preço em feira de vinhos: 5,54 €
Nota (0 a 10): 6,5

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

No meu copo 151 - Monte dos Cabaços 2003

Começou por uma vinha que vendia as uvas. Filha de pai alentejano da zona de Estremoz, Margarida Cabaço regressou da Holanda, onde estudava, aos 16 anos, para junto da família que voltava a Estremoz. Aí viria a casar com um proprietário local que possuía uma vinha. O tempo que sobrava do tratamento da vinha começou a ser aproveitado para organizar uns almoços e jantares para os amigos, mais tarde casamentos e baptizados, e daí até um restaurante foi um pequeno passo. Assim viria a nascer o São Rosas, um dos actuais ex-libris gastronómicos da cidade.
A seguir ao restaurante veio o vinho próprio para servir no restaurante, e assim as uvas que eram vendidas passaram a ser usadas na produção do Monte dos Cabaços, tinto e branco. Tive oportunidade de adquirir por 5,95 € uma garrafa do tinto de 2003 com a Revista de Vinhos.
De cor muito carregada e aroma marcado por notas minerais, muito cheio na prova de boca com predominância de fruta e especiarias, é um daqueles vinhos chamados de “perfil moderno”, com muita fruta, muita concentração e muito álcool, que alguns dizem que é o que vai ao encontro do gosto do consumidor actual. Apetece-me sempre perguntar: será mesmo isto que o consumidor quer, ou é o que estão a tentar impingir-lhe? É que, a mim, estes vinhos cansam-me. Bebem-se bem algumas vezes mas depois começam a saturar, porque se tornam todos iguais. Nada os diferencia, e os que tenho provado ultimamente deste género acabam por ser “mais do mesmo”. Por isso é que acabamos sempre por voltar aos clássicos que já conhecemos há muito tempo..

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Monte dos Cabaços 2003 (T)
Região: Alentejo (Estremoz - Borba)
Produtor: Maragarida Cabaço
Grau alcoólico: 14%
Castas: Aragonês, Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon, Syrah
Preço em hipermercado:9,99 €
Nota (0 a 10): 7

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Efeméride



Escrevemos estas linhas completamente sóbrios... só para que conste.
Faz hoje 2 anos que foi criada esta excrescência das Krónikas Tugas, dedicada às libações báquicas e ao “pecado” da gula. Foi com prazer (de que outra forma havia de ser?) que a vimos crescer e ter as suas primeiras relações. Neste momento, temos a certeza de que quem caiu neste post de pára-quedas já pensa de nós o pior, que somos voyeurs ou mesmo sócios do Sporting! Mas não, não somos sócios do Sporting (só do Benfica). E as relações de que falamos são as deste blog com outros da mesma laia e não aquilo que estavam a pensar…
E foi no cimento dessa troca de impressões que este blog se alicerçou, quais sapatinhos de cimento que nos prendem a este mundo dos apreciadores de vinho. Por vezes torna-se difícil este fito de escrever sobre vinhos, principalmente depois de os provarmos muito, mas soubemos ultrapassar esses obstáculos e, com a ajuda de correctores ortográficos e gramaticais, botar sempre prosa não obnubilada pelos vapores etílicos. A nossa intenção é pois continuarmos por cá, provando uns, deglutindo outros e terçando conversas com os nossos comparsas dos outros blogues vínicos.
Concluindo, muito obrigado aos que nos lêem (descontando alguns chatos sem remédio), que de uma coisa podem ficar certos: nunca nos armaremos em detentores absolutos da verdade, mas também não seremos nunca politicamente correctos. É uma coisa que se chama liberdade.

tuguinho e Kroniketas, os diletantes preguiçosos

sábado, 8 de dezembro de 2007

Krónikas do Alto Alentejo (V)

No meu copo, na minha mesa 150 - Altas Quintas Crescendo 2005; O Abrigo (Portalegre)
Uma das incursões gastronómicas em Portalegre incluiu uma visita ao restaurante “O Abrigo,” no centro histórico da cidade. Trata-se de um espaço que fica um piso abaixo do chão, embora com acesso directo para a rua, não muito amplo, de características eminentemente regionais. Descendo as escadas após a entrada, deparamo-nos com um pequeno átrio onde já estão algumas mesas e um balcão de acesso à cozinha. Em exposição encontram-se também algumas garrafas de vinho da região. A sala propriamente dita fica depois duma porta rotativa do tipo saloon.
E quanto aos comes? Seguindo algumas sugestões, houve uns deliciosos miminhos de porco grelhados e uma fantástica costeleta de novilho. Os acompanhamentos são variados, mais ou menos à vontade do freguês, mas o grande destaque vai para a miolada de couve, uma espécie de migas de couve envolvidas em ovo, absolutamente irresistível. É de comer e chorar por mais, tanto assim que teve de se pedir mais do que um reforço.
Nas sobremesas a escolha recaiu noutro doce típico alentejano, a sericaia, acompanhada com a ameixa em calda. Estava boa, apesar de já termos encontrado melhor na origem.
Da oferta vinícola optámos novamente por continuar na região, cujos vinhos se encontram em destaque nos expositores, e escolhemos um dos vinhos da moda: o Altas Quintas Crescendo 2005. Feito com Aragonês e uma pequena percentagem de Trincadeira, fermentou em balseiros de carvalho tendo depois estagiado 12 meses em barricas de carvalho, as mesmas que são primeiro utilizadas para estagiar o Altas Quintas. Encontrei um tinto muito concentrado, bastante frutado e com 14% de álcool, taninos muito presentes, dando-lhe um perfil robusto mas que me pareceu algo agressivo. Não lhe encontrei a frescura que se anuncia para estes tintos alentejanos em altitude. Talvez precise de amaciar algum tempo na garrafa.
No entanto temos de considerar que a garrafa veio para a mesa com uma temperatura algo elevada, pelo que houve que pedir um “frappé” para arrefecer o vinho, o que pode ter prejudicado a prova mesmo depois de se ter baixado a temperatura. Certamente justificará uma segunda prova, pois estou em crer que esta não terá sido conclusiva.
O serviço é simpático e atencioso, fazendo-se com eficácia. O maior senão é a excessiva temperatura do restaurante e a pouca ventilação, o que torna o ambiente um pouco pesado, com o cheiro dos cozinhados a ficar entranhado na roupa. Este restaurante é muito frequentado sobretudo aos almoços, sendo uma aposta simpática para comer bem sem ser por preço excessivo. Poderá, no entanto, ser aconselhável reservar mesa atempadamente.

Kroniketas, enófilo itinerante

Restaurante: O Abrigo
Rua de Elvas, 74
7300-147 Portalegre
Telef: 245.331.658
Preço médio por refeição: 15 €
Nota (0 a 5): 4

Vinho: Altas Quintas Crescendo 2005 (T)
Região: Alentejo (Portalegre)
Produtor: Altas Quintas
Grau alcoólico: 14%
Castas: Aragonês, Trincadeira
Preço em feira de vinhos: 7,95 €
Nota (0 a 10): 7


Outras provas deste vinho em: A Adega (6,5 em 10), Pingas no Copo (15 em 20) e Vinho da Casa (16 em 20).

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

O cair da folha em Portalegre

Cenários quase irreais

Na Praça da República...


...na Quinta do Seixo...


...e na Tapada do Chaves.


Kroniketas, enófilo itinerante

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Os grandes tintos do Douro... e os outros

Há cerca de um ano (Novembro de 2006) a Revista de Vinhos publicou um painel de prova de grandes tintos do Douro, daqueles topos de gama. Agora em Novembro de 2007 voltou a publicar outro painel, com notas entre os 16 e os 18,5 e preços que vão, literalmente, dos 8... aos 80! Euros...
São 51 vinhos provados, com uma média de preços de 30 €, e com 36 acima dos 20 €, 21 acima dos 30 € e 11 acima dos 40 €. E ainda há 5 acima dos 50 €, sendo que 2 custam mais de 80 €: 85 € e 88,5 €. Um luxo!
Ainda recentemente dois comparsas bloguistas, o Pingas no Copo e o Vinho da Casa, apresentaram algumas provas de grandes vinhos da Niepoort, da Quinta do Vale D. Maria, da Quinta do Crasto e da Quinta do Vale Meão. Grandes vinhos, sem dúvida, a merecerem apreciações entre os 15,5 e os 19 pontos! Mas... quem os pode comprar? Diz o Vinho da Casa que “beber vinhos de classe mundial por menos de 80 euros não é fácil”. Pois não... E o Pingas no Copo diz, acerca do Charme, “censuro, apenas, o preço que é pedido, simplesmente porque não tenho dinheiro para o comprar as vezes que gostaria.” Também eu...
Acredito que estes vinhos, que custam os olhos da cara, sejam os melhores do país, mas também continuo a achar que não são estes que representam o valor médio da região, e quando falamos de vinhos até 10 € a experiência que tenho tido, em muitos casos, mostra-me que em grande parte estes são inferiores aos de outras regiões. Há algum tempo, Cristiano Van Zeller, produtor da Quinta do Vale D. Maria, fazendo uma comparação entre os vinhos do Douro e do Alentejo na Hora de Baco dizia que nos vinhos médios o Douro é inferior a outras regiões.
Neste painel o vinho mais pontuado é o Quinta do Crasto Vinha Maria Teresa, com 18,5 pontos e um preço de 88,50 €. Mas há poucos dias provei o Quinta do Crasto normal, que não é assim tão barato, e achei-o vulgar. A pergunta que faço é esta: como é que um produtor pode fazer um vinho de topo e outro com uma qualidade algo questionável? E a diferença de qualidade, será que justifica que o preço daquele seja 10 vezes superior ao deste?
Falar de grandes vinhos que não estão acessíveis à maioria das pessoas torna-os, de facto, vinhos virtuais como uma vez referiu João Portugal Ramos. É um bocado como os Ferraris: são para ver na montra e nas fotografias. E pagar 40 ou 50 € por um vinho é só para alguns, ou então para quando se perde a cabeça. Mas é só uma vez por acaso... Quando passamos ao mundo real, o panorama é bem diferente deste mundo sublime que nos é apresentado neste painel. Por isso é que acabamos por nos refugiar naqueles que já conhecemos e que nos dão todas as garantias, como os 3 Douros de 2001 que provámos há alguns dias. Esses são reais, são bons e são acessíveis.

Kroniketas, enófilo esclarecido

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Pouco “show” e ainda menos “gourmet”

No passado dia 24 de Novembro desloquei-me pela primeira vez ao Convento do Beato para visitar o Porto e Douro Wine Show e Lisboa Gourmet. Nos claustros do convento (sim, o mesmo local onde os Scorpions gravaram o memorável concerto acústico a que não fui assistir) estavam montadas as bancas dos expositores, ocupando todo o espaço. Em volta mais algumas bancas com aquilo que deveria ser a parte gourmet do evento.
Descontando o facto de que a parte gourmet pressuporia apenas a existência de alguns petiscos para provar e pouco mais, a verdade é que não esperávamos tão pouco. O que havia para provar eram rebuçados de ovo, bolachas de chocolate, Água das Pedras com sabor a limão e pouco mais. Depois lá havia um exíguo espaço onde se confeccionava uns pratos de arroz e noutra sala o chefe Rui Paula, do restaurante DOC em Folgosa do Douro, fazia uma demonstração de confecção de chamuças de alheira que depois deu a provar aos que assistiam, acompanhando com um vinho de Domingos Alves de Sousa. E por aqui se ficou o Lisboa Gourmet. Os próprios expositores se queixavam de que, tendo de estar lá até às 10 da noite, não tinham onde comer nada.
Não deixa de ser estranho que num evento daqueles se descure completamente a parte gastronómica, que não só manteria os visitantes mais entretidos como permitiria aconchegar os estômagos de modo a poder fazer mais provas. Assim, de estômago vazio e com duas crianças a acompanhar, ao fim de uma hora e meia demos o fora e dirigimo-nos a casa para jantar.
Quanto ao Porto e Douro Wine Show, embora estivessem representados muitos produtores importantes, como Sogrape, Ramos Pinto, Real Compahia Velha, também estranhei a ausência de nomes de peso no sector do Vinho do Porto: Symington, Taylor’s, Fonseca, Niepoort e todos os outros “Douro Boys” primaram pela ausência. Será por perceberem a pouca expressão do evento?
Requer-se mais cuidado na organização para que o público não se afaste e o evento não morra. Pelo que vi, não ficou grande entusiasmo para voltar.
A meio do percurso, como já vem sendo habitual, voltei a encontrar o “casal Chapim”. Não estamos combinados mas lá vamos frequentando os mesmos lugares onde decorrem eventos gastro-etílicos. Será que um dia destes nos vamos encontrar numa visita ao novo espaço do Wine O’Clock em Lisboa?

Kroniketas, enófilo esfomeado

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Krónikas do Alto Alentejo (IV)

Adega Cooperativa de Portalegre



A Adega Cooperativa de Portalegre foi fundada em 1955, tendo assim comemorado há pouco tempo os seus 50 anos. As uvas que recebe pertencem aos viticultores seus associados, sendo destinadas aos diversos tipos de vinho de acordo com a sua qualidade e características segundo o cadastro constante na Adega Cooperativa.
Em 2005 a Adega Cooperativa adquiriu a Adega da Cabaça, nos arredores de Portalegre, para onde futuramente passarão as instalações e que acrescenta 20 hectares de vinha à produção. Actualmente a Adega Cooperativa recebe por ano cerca de 3 milhões de quilos para processamento, a partir dos quais produz cerca de 2 milhões de litros. O enólogo residente é Rui Vieira, tendo Rui Reguinga como enólogo consultor.
As instalações são de média dimensão, assim como a cave de envelhecimento em barricas e a linha de engarrafamento e rotulagem, contígua às mesmas. Algumas garrafas, contudo, são rotuladas à mão, nomeadamente algumas edições especiais, havendo ainda outras que requerem um cuidado especial para aposição dum selo de lacre no rótulo, como o Meio Século 50, cujo contingente se encontra em destaque nalguns caixotes ali à mão de semear. Toda a zona com as cubas de desengace, prensagem e fermentação fica situada no exterior, ficando o edifício coberto destinado às caves, laboratório, sala de provas e zona de encaixotamento e carga.
A produção de vinhos da Adega Cooperativa de Portalegre distribui-se pelas marcas Aramenha branco e tinto (vinho bag-in-box), Terras de Baco branco e tinto (vinho de mesa, a menos de 2 €), Conventual e Conventual Reserva branco e tinto (vinho regional, de 3 a 6 €), Portalegre branco e tinto (vinho DOC, a cerca de 12 €) e Meio Século 50, vinho tinto DOC comemorativo dos 50 anos da Adega, a cerca de 30 €. Actualmente a Adega tem uma promoção de Natal de caixas com várias combinações dos seus vinhos a preços substancialmente mais baixos. As encomendas poderão ser feitas para a morada da Adega ou por mail, disponíveis no site da Adega.

Kroniketas, enófilo viajante

Adega Cooperativa de Portalegre
Apartado 126
Tebaida, Ribeira do Baco
7301-901 Portalegre
Telef: 245.300.530

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

No meu copo 149 - Porto Vintage Fonseca 94; Porto Cálem 10 anos

O jantar de prova dos 3 Douros foi balizado por dois Vinhos do Porto, um antes e um depois. Há alguns meses tínhamos adquirido meia garrafa de um Porto Vintage Fonseca de 94, o ano perfeito dos Vintage segundo os especialistas. Este foi um dos vinhos portugueses mais pontuados de sempre na Wine Spectator e resolvemos dividir o mal pelas aldeias, que é como quem diz, os 100 € que custava a garrafa por 4.
Perante a preciosidade que tínhamos entre mãos, resolvemos degustá-lo antes do jantar, o que se afigurou assaz difícil porque a rolha se desfez à primeira tentativa, obrigando os comparsas a entreterem-se a tentar sacar a rolha e depois coar o vinho, enquanto eu me entretinha com os bifes à café.
A exígua quantidade disponível foi criteriosamente dividida pelos copos (enquanto eu continuava entretido com os bifes) e fomos deixando os aromas libertarem-se (enquanto eu acabava os bifes...). O primeiro contacto foi quase sublime. Uma cor carregada, opaca, aroma marcado a frutos secos (nozes) e algum caramelo. Na boca, o que se espera dum vinho destes: corpo interminável, grande estrutura mas também muita macieza para um vinho ainda não muito velho, terminando com alguma doçura. No fundo do copo os aromas ainda ficaram lá. Em suma, um vinho que nunca mais acaba.
O Porto Cálem foi trazido pelo Politikos, como vem sendo habitual, e ficou naturalmente para a sobremesa. Aqui o perfil é completamente diferente e não é possível comparar. Já bebi outros Portos de 10 anos e este não foi dos melhores. Uma cor acobreada, aroma também marcado por frutos secos e mel, mas pouco elegante na boca. Não é um vinho muito apetitoso, daqueles que apetece beber sempre mais, por isso sobrou quase metade da garrafa.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Região: Douro/Porto

Vinho: Porto Vintage Fonseca 94 (T)
Produtor: Fonseca Guimaraens
Grau alcoólico: 20,5%
Preço em hipermercado: 102 € (garrafa de 37,5 cl)
Nota (0 a 10): 9

Vinho: Porto Cálem 10 anos
Produtor: A. A. Cálem & Filho
Grau alcoólico: 20%
Preço em hipermercado: cerca de 10 €
Nota (0 a 10): 6

terça-feira, 27 de novembro de 2007

As nossas escolhas em 2007

Terminadas as feiras de vinhos, actualizámos a nossa lista de escolhas com os preços referentes a 2007. O critério é sempre o mesmo e é simples: são os vinhos que já provámos, de que gostámos e que achamos que valem o preço que custam.

Kroniketas, enófilo organizado

sábado, 24 de novembro de 2007

No meu copo 148 - 3 Douros de 2001: Sogrape Reserva, Duas Quintas, Vinha Grande

A propósito do Portugal-Arménia, juntámos alguns Comensais Dionisíacos à mesa (faltaram à chamada o Caçador, que foi para a caça, e o Pirata, retido em casa por constipações familiares) para fazer uma prova de 3 vinhos do Douro de 2001: o Sogrape Reserva, o Duas Quintas e o Vinha Grande. São três dos vinhos da nossa preferência que já apreciámos aqui noutras ocasiões, mas desta vez a intenção era prová-los em simultâneo por terem alguns pontos em comum e serem produzidos no mesmo ano. Vinhos abertos com a antecedência necessária, serviço à temperatura ideal e copos adequados, e passámos à função à volta duns bifes à café antes de a Selecção Nacional entrar em campo.
Começámos com o Sogrape Reserva e o começo não podia ser melhor. Como habitualmente, esteve à altura das expectativas. Mostrou uma fantástica cor rubi, brilhante e transparente, no nariz um bouquet profundo e intenso, marcado por fruto maduro, e na boca um corpo cheio com estrutura complexa, grande persistência, taninos firmes mas bem domados e uma boa acidez a envolver um grau alcoólico correcto, num todo equilibrado e harmonioso. Apetece dizer que este vinho não tem nada fora do sítio, está tudo no ponto certo. Alcandorou-se com destaque a melhor vinho da noite.
Comparativamente às anteriores provas da colheita de 2000, este apareceu muito mais saudável e pujante. Como já dissemos anteriormente, nunca nos desiludiu e sendo esta colheita a que está à venda no mercado, já com 6 anos de idade, está em plena forma e no ponto ideal para ser bebido. Para nós, continua a ser um vinho incontornável e que merece amplamente o preço que custa. Enquanto estiver no mercado, não deixaremos que desapareça das nossas garrafeiras.
Seguiu-se o Duas Quintas, para entrecortar os vinhos da Sogrape com um Ramos Pinto, e acabou por ser o mais penalizado, talvez prejudicado por se ter seguido ao Sogrape Reserva. Este foi comprado já em 2003, e pareceu ter ultrapassado o ponto ideal (actualmente já está à venda a colheita de 2005). Esperávamos um vinho mais pujante e mais robusto, como aliás é seu timbre, sendo normalmente mais adequado para pratos fortes de carne, mas este apareceu um pouco mais delgado do que é habitual, perdendo um pouco de complexidade e de corpo, embora a cor mais fechada estivesse lá. Requer-se, portanto, um consumo mais precoce, embora haja ainda outra garrafa desta colheita que nos irá permitir tirar as dúvidas.
Finalmente seguimos para o Vinha Grande, que dos três foi o mais elegante. Menos exuberante e menos complexo que o Sogrape Reserva, mais frutado e macio, também com uma cor rubi muito atractiva e uma boa persistência. Esteve acima do Duas Quintas mas sem fazer concorrência ao Sogrape Reserva. Dos três é o mais adequado para pratos requintados e delicados.
Em suma, três apostas sempre seguras a preços não excessivos, que não desiludem ninguém e nunca nos deixam ficar mal.

Kroniketas, enófilo esclarecido

PS: Também houve uns Portos mas essa já é outra conversa.

Região: Douro

Vinho: Sogrape Reserva 2001 (T)
Produtor: Sogrape
Grau alcoólico: 13,5%
Castas: Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinta Barroca
Preço em feira de vinhos: 10,74 €
Nota (0 a 10): 8,5

Vinho: Duas Quintas 2001 (T)
Produtor: Ramos Pinto
Grau alcoólico: 13%
Castas: Tinta Roriz, Touriga Nacional
Preço em feira de vinhos: 8,69 €
Nota (0 a 10): 7/7,5

Vinho: Vinha Grande 2001 (T)
Produtor: Casa Ferreirinha - Sogrape
Grau alcoólico: 13,5%
Castas: Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinta Barroca
Preço em feira de vinhos: 8,98 €
Nota (0 a 10): 8

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Porto e Douro Wine Show e Lisboa Gourmet


Nos próximos dias 24 e 25, no Convento do Beato, em Lisboa.
Informações em http://www.portodourowineshow.com/

No meu copo 147 - Quinta do Crasto 2004

Outro vinho do Douro que eu não compreendo, certamente. Já aqui tive oportunidade de falar da colheita de 2003 e, tal como no anterior, ficou-me outra vez a sensação de “muita parra e pouca uva”. Se existem, ao que se diz, grandes vinhos deste produtor nos topos de gama, na gama chamada “Premium” há bastantes decepções, como é o caso deste. Há por aí dezenas de vinhos pelo mesmo preço infinitamente melhores, mesmo na própria região. A este parece que lhe falta personalidade, um perfil mais definido, não sei bem o que é que ele é.
A Revista de Vinhos de Outubro apresenta um painel de tintos até 10 € onde tece grandes encómios à colheita de 2006, apresentando-o como um “tinto cheio e de grande categoria”, classificando-o com 16 pontos. Na nossa escala de 0 a 10 andaria então por volta dos 8. Mas é que nem pouco mais ou menos, nem pensar! Para mim, este 2004 é um vinho perfeitamente vulgar.
Aliás, há vários anos que eu me deparo com este problema. Tecem-se loas intermináveis aos vinhos do Douro, que são os melhores do país, de categoria internacional, só que custam uma fortuna. Porque para o consumidor normal, que vai a um supermercado fazer as suas compras para compor uma garrafeira com vinhos de alguma qualidade mas não quer deixar lá um ordenado, se opta por esta gama dos vinhos até 10 €, ou mais para baixo, no Douro arrisca-se a apanhar um bom punhado de decepções. Perante isto fico sempre na dúvida: afinal, o que valem verdadeiramente os vinhos do Douro?
Tudo isto, ao fim e ao cabo, para dizer que este Quinta do Crasto 2004, tal como o 2003, não me diz grande coisa, não consigo caracterizá-lo. Tem alguma fruta, um aroma discreto, um ligeiro toque a especiarias no final, mas continua a parecer-me mais um, igual a muitos outros, que não passa da mediania e que não justifica o preço que custa.

Kroniketas, enófilo reservado

Vinho: Quinta do Crasto 2004 (T)
Região: Douro
Produtor: Sociedade Agrícola da Quinta do Crasto
Grau alcoólico: 14%
Castas: Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinta Barroca
Preço em feira de vinhos: 8,36 €
Nota (0 a 10): 6

domingo, 18 de novembro de 2007

Krónikas do Alto Alentejo (III)

No meu copo, na minha mesa 146 - Herdade das Servas, Aragonês 2004; O Cobre (Portalegre)
Foi a primeira incursão gastronómica em Portalegre desde que aqui assentei arraiais (na primeira visita houve um almoço noutro local, de que falarei proximamente). A oferta é muita, ao contrário do que eventualmente se poderia esperar, embora me tenha desiludido a oferta de pratos de caça (é mais à base de javali e, vá lá, de vez em quando veado). Lebre e perdiz, as minhas peças de caça de eleição, nem vê-las.
Como vou estar por cá durante algumas semanas, vou ter tempo para explorar o que há por aí, na serra de São Mamede, no caminho para Estremoz, no caminho para o Crato e Alter do Chão. Há muitas referências e vou tentar aproveitar as oportunidades que tiver.
A primeira visita foi a um local referenciado pelos grelhados do norte alentejano, junto ao hospital de Portalegre. Curiosamente, neste local existia outra referência recorrente, que aparece em todos os guias gastronómicos: o Rolo Grill. A verdade é que esse “grill” agora passou-se para as termas de Cabeço de Vide, e no mesmo local surgiu este Cobre. Guiado por residentes na cidade, fui experimentar este restaurante, que tem uma sala de dimensão média (cerca de 40 lugares), embora a ventilação seja algo deficiente. Estavam 11 graus na rua e um calor de Verão no interior do restaurante. Todos os agasalhos tiveram que ser despidos e as mangas arregaçadas.
Na mesa repousavam já algumas entradas de enchidos (não é propriamente a minha predilecção em qualquer refeição), mas a grande dificuldade foi a escolha do vinho e do prato (a oferta é enorme, principalmente entre as carnes). Acabaram por ser pedidos um leitão assado encomendado no próprio dia da região da Bairrada (quanto a mim, para comer leitão assado não vale a pena vir ao norte alentejano, prefiro ir à Mealhada), enquanto eu escolhi, de várias opções apresentadas pelo dono, uma mista de veado e javali, com setas, na frigideira (as setas são um tipo de cogumelo que vinha embebido no molho). A acompanhar, umas migas de couve envolvidas em ovo, embora muito longe de outras já comidas no Abrigo. Foi um prato diferente daquilo que conheço, bastante saboroso, embora um pouco fora do meu género preferido, muito à base da fritura. Mas com uma confecção irrepreensível.
Como sobremesa optei por um doce que já se tornou um clássico em todo o país, quase sempre apresentado como “doce da casa”, neste caso sob a designação de “Doce maravilha”, que não é mais que as habituais natas sobre bolacha embebida em café e uma espécie de leite creme, polvilhado com umas pepitas de chocolate. A verdade é que este, sem sombra de dúvida, foi um dos melhores que já experimentei.
O vinho foi escolhido mais ou menos a olho e por sugestão. Falou-se no inevitável Altas Quintas (o Reserva custava “apenas” 45 €), havia uma prateleira com uma imensa exposição de vinhos alentejanos (e alguns outros) e entre alguns que não conheço acabámos por escolher um Herdade das Servas Aragonês 2004. Primeiro foi colocada uma “pinga no copo” para provar e logo aí se verificou estarmos na presença de um grande vinho, com uma grande estrutura e um corpo volumoso. Sugeri que fosse decantado e já o “decanter” estava a postos...
Depois vieram os adequados copos grandes em forma de tulipa, enquanto o vinho repousava à espera de desenvolver os aromas e amaciar o corpo e os taninos. Depois de bebido de novo, encontrámos um corpo interminável, com uma persistência daquelas que dura, dura, dura... e um final com um toque ligeiramente apimentado, como é muito característico da casta Aragonês. Ao longo da refeição foi-se tornando cada vez mais macio, mantendo o corpo e a estrutura na boca. Os aromas a fruta não são muito pronunciados, diluindo-se mais na predominância das especiarias. Mas um vinho que nos enche os sentidos, um grande vinho sem qualquer dúvida (o próprio professor Virgílio Loureiro destaca como característica marcante dos grandes vinhos a sua persistência, marca distintiva da longevidade que o vinho pode suportar).
A Herdade das Servas é um dos produtores alentejanos dos novos tempos, que conheci há uma meia-dúzia de anos através de uma marca até então completamente ignorada, o Monte das Servas, que me surpreendeu grandemente pela positiva. Longe estava eu de imaginar o sucesso que viria a ter daí para cá. Actualmente, é um dos produtores de referência no Alentejo, com a propriedade situada a alguns quilómetros de Estremoz, junto à estrada nacional 4 em direcção a Arraiolos (é quase vizinha do Monte da Caldeira, de João Portugal Ramos). A gama de produtos tem vindo a diversificar-se, actualmente o antigo Monte das Servas ganhou o apelido de Colheita Seleccionada e entretanto apareceram os Reservas e os monocastas. Esta experiência com o Aragonês foi altamente gratificante, revelando todo o potencial dos vinhos da casa. Sem dúvida uma marca a fixar como referência incontornável dos produtores alentejanos do século XXI.
Para mais informações acerca deste produtor, sugere-se a leitura do artigo do Copo de 3 sobre a visita à herdade, um bom documento para ficarmos mais inteirados do que a casa tem para nos oferecer. Se o tempo e a disponibilidade o permitirem, ainda vou tentar, um dia qualquer, passar por lá na ida ou na volta para fazer um visita. O único problema é que entre Portalegre e Lisboa os produtores de vinho são tantos que seriam necessários vários dias para os visitar a todos...
Em resumo, o serviço é da altíssima qualidade (de realçar que um dos empregados, alguns minutos depois do vinho decantado, veio perguntar-nos se podia servir o vinho, o que é raro acontecer), pleno de profissionalismo e ao mesmo tempo de simpatia, a confecção irrepreensível, o serviço de vinhos seguindo todos os trâmites, pelo que só podemos considerar que é quase merecedor da nota máxima. Apesar de tudo, já encontrámos alguns que nos encheram mais as medidas, mas este fica como um daqueles onde vale a pena voltar.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Restaurante: O Cobre
Av. Pio XII, Lote 17 - R/C Dto (junto ao hospital)
7300-073 Portalegre
Telef: 245.328.472
Preço médio por refeição: 40 €
Nota: 4,5

Vinho: Herdade das Servas, Aragonês 2004 (T)
Região: Alentejo (Estremoz - Borba)
Produtor: Herdade das Servas
Grau alcoólico: 14,5%
Castas: Aragonês
Preço no restaurante: 27 €
Nota (0 a 10): 8,5

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

No meu copo 145 - Dão Sogrape Reserva 99

O stock vai-se esgotando, com grande pena nossa. Já aqui dissemos que somos fãs de longa data dos Sogrape Reserva, primeiro no Dão e no Douro e mais tarde no Alentejo. Fizemos questão de escrever o 99º e o 100º post de prova neste blog sobre os Reservas do Douro e do Dão, de 2000. Agora tivemos à mesa uma garrafa de Dão 99 que tinha ficado guardada em casa de um amigo.
Abrimo-la com uns bifes à café, e estava excelente. Devido à idade podia apresentar alguns sinais de cansaço, como já tinha acontecido com outras com idades semelhantes. Mas a verdade é que se mostrou em plena forma, com todos os aromas bem presentes, aquela pujança elegante (se é que se pode dizer assim) que o caracteriza a mostrar-se na plenitude. De cor ainda muito carregada, os taninos presentes mas já bem arredondados, uma persistência notável para um vinho com 8 anos e um fim de boca longo.
Bebemo-lo, melhor, sorvemo-lo avidamente até à última gota, tentando guardar na memória as últimas lembranças dum vinho anunciado para acabar. Agora só nos resta uma de 2000 na garrafeira e já não encontramos nenhuma à venda. Ainda há uns restos do Dão Pipas, um clássico de que um dia falaremos, e a partir daí teremos que enveredar pelo Quinta de Carvalhais. Como a primeira experiência não foi famosa, ficámos um pouco de pé atrás, mas continuamos a esperar que a nova marca faça jus à tradição dos vinhos dali saídos.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Dão Sogrape Reserva 99 (T)
Região: Dão
Produtor: Sogrape
Grau alcoólico: 12,5%
Preço em feira de vinhos: 9,89 €
Nota (0 a 10): 8

terça-feira, 13 de novembro de 2007

Depois do encontro

No passado dia 3 uma delegação do Grupo Gastrónomo-Etilista “Os Comensais Dionisíacos” deslocou-se à Feira das Indústrias, na antiga FIL, para mais uma edição do Encontro com o Vinho e com os Sabores.
Foi uma longa jornada em que se provou muito e se registou pouco. Desta vez estivemos menos atentos às marcas, mais aos produtores e às conversas, por isso não há grande registo dos vinhos provados, até porque seria impossível enumerar todos.
Em destaque colocamos, logo de entrada, alguns espumantes da PROVAM, em especial um Coto de Mamoelas, feito exclusivamente com a casta Alvarinho, e que mostrou ser excelente. Claro que os Murganheira também não deixaram os créditos por mãos alheias, enquanto outros não convenceram tanto, como o Tapada do Chaves (as Caves da Montanha optaram por uma acção de marketing com meninas muito destapadas a oferecer uns copos de espumante aos passantes, mas a Soraia Chaves não estava lá...).
Recordamos em especial um branco dos Cozinheiros, da Quinta dos Cozinheiros, de grande estrutura e grande corpo e enorme persistência, um branco para carnes, assim como o Poeirinho, um Bairrada à moda antiga. Tivemos oportunidade de passar pela Quinta do Monte d’Oiro e descobrir o novo Clarete, pelas Caves de S. João e revisitar alguns clássicos, pela Niepoort e escolher dois ou três dos muitos presentes, de mirar a vasta oferta de dois dos nossos produtores de referência, a Sogrape e a Herdade do Esporão, terminando inevitavelmente com os Porto Vintage da Fonseca (em que, além da excelência dos vinhos, impera a simpatia e o gosto pela conversa - nota 20 para tudo!). Pelo caminho pudemos também trocar algumas impressões com produtores e enólogos presentes, como José Bento dos Santos ou Paulo Laureano, o próprio.
(Cabe aqui referir a aversão do Kroniketas à causa queijal, e por isso não pode apreciar o belo exemplar serpense que o tuguinho comprou no stand da Quinta dos Coteis; também nos ficou na alembradura uma bela empada de frango e legumes de uma nova loja gourmet chamada Apetitices, e que parece merecer visita à sede).
Inevitável seria o reencontro com alguns comparsas eno-bloguistas. Logo de entrada topámos com o Pingas no Copo, pouco depois apareceu o Copo de 3, logo a seguir o companheiro Chapim e respectiva cara-metade, um independente que não falha e com quem já nos tínhamos cruzado no Clube del Gourmet do Corte Inglês, numa apresentação de vinhos italianos. Fomo-nos cruzando aqui e ali, trocando impressões e comentando os vinhos provados.
No fim lá conseguimos voltar sãos e salvos para casa, mais bebidos que comidos. O tuguinho queria comprar um Colares mas desistiu. Já era vinho demais...

Kroniketas, enófilo quase sóbrio (com acrescentos de tuguinho, menos água e mais vinho)

sábado, 10 de novembro de 2007

No meu copo 144 - Casa de Santar Reserva 2003; Quinta de Cabriz Reserva 2003


Já este ano tínhamos provado estes dois vinhos do Dão, referenciados entre os melhores no painel de tintos até 10 € da Revista de Vinhos. Mas um jantar entre amigos proporcionou a oportunidade de prová-los em conjunto, com a curiosidade acrescida de agora serem ambos propriedade da Dão Sul e poder compará-los.
O vinho é um mundo de surpresas, já todos o sabemos, e muitas vezes o que damos por adquirido transforma-se completamente perante uma prova surpreendente que vem abalar de alto a baixo as nossas convicções. Não foi bem o caso, mas foi quase.
De facto, as provas anteriores mostravam-nos claramente um Casa de Santar Reserva uns furos acima do Quinta de Cabriz Reserva. Enquanto aquele tinha mais estrutura, mais corpo, aromas mais complexos e maior persistência, este apresentava-se mais frutado, mais aberto, em suma um vinho um pouco mais fácil. Mas eis senão quando... nesta prova os papéis inverteram-se, para grande surpresa minha. Dentro da garrafa há sempre alterações inesperadas, e desta vez o Cabriz levou a melhor sobre o Santar. Convém referir que as colheitas provadas foram as mesmas da prova anterior, daí a surpresa ser maior. Não sei se foi aquele que melhorou em relação à garrafa provada anteriormente ou se foi este que decresceu, mas a verdade é que o Cabriz mostrou, desta vez, maior complexidade na prova gustativa, um toque levemente especiado e foi desenvolvendo aromas terciários ao longo da refeição. Por sua vez o Santar apareceu mais linear, mais “liso”, digamos assim, sem perder a macieza que o caracteriza mas parecendo que alguma acidez se tinha ido embora.
Nas provas anteriores tinha classificado o Santar com 8 pontos e o Cabriz com 7,5. Se tivesse que fazê-lo de novo, por esta prova, talvez os classificasse ao contrário. Mas vou acreditar que o Santar não perdeu qualidades (até porque ainda há uma garrafa da mesma colheita cá em casa) e, a fazer fé no painel de prova da Revista de Vinhos, é um dos melhores tintos até 10 €. Eu também acho, pelo que espero que as próximas provas e as próximas colheitas confirmem as expectativas que este vinho sempre levanta. E já agora, que confirmem também a melhoria do Cabriz.

Notas de prova da Revista de Vinhos:

Casa de Santar Reserva 2004: Muito bem de aromas, fruta concentrada e densa, com notas anisadas. A boca mostra-se com muito boa estrutura e classe, taninos afinados, fruta final a marcar presença. Nota: 17

Cabriz Reserva 2004: Denso na cor, fruto preto, tudo algo fechado e sem se mostrar muito, ligeiro rebuçado e licorados; muito bem na boca, cheio e com estrutura, ligeiramente doce mas bem proporcionado, é um belo tinto de final prolongado. Nota: 16

Comentário: uma descrição que confirma exactamente o que se espera destes dois vinhos, e que no caso do Cabriz se aproxima da sensação colhida nesta segunda prova. Definitivamente, dois vinhos para nunca faltarem na garrafeira.


Kroniketas, enófilo esclarecido

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Tintos a menos de 10 €

No seu número de Outubro, a Revista de Vinhos apresentou um painel de prova de vinhos tintos a menos de 10 €, com bastante boas classificações. No artigo é referido o facto de, segundo os produtores, esta ser a gama mais difícil de vender. São vinhos que já não são baratos, por um lado, e estão um pouco longe dos topos de gama. Quem quer comprar realmente barato não chega a este segmento.
Não deixa de existir aqui, quanto a mim, alguma contradição, porque na minha opinião é precisamente neste segmento que se encontram os melhores vinhos sem ser a preços proibitivos, ou seja (e esta é uma opinião meramente pessoal), é aqui que encontro a melhor relação preço-qualidade na maior parte dos vinhos. Abaixo dos 5 € encontramos muitos vinhos demasiado vulgares e que, muitas vezes, não chegam a merecer o pouco que custam. Daqui para cima começa a ser complicado investir para preencher a garrafeira, porque gastamos numa garrafa aquilo que podemos gastar em 3 ou 4. Por isso é realmente no patamar entre os 5 e os 10 € que mais invisto e onde consigo beber vinhos com muito prazer sem gastar uma fortuna em cada garrafa. Vários dos vinhos apresentados são presença obrigatória nas nossas garrafeiras e nas nossas sugestões.
Posto isto, vamos ao que interessa: o painel de prova. São quase 40 vinhos provados, com notas entre os 15 e os 17 valores, ordenados como se segue (os preços de referência são os indicados no artigo, embora se possa encontrar alguns mais baratos, nomeadamente nas feiras de vinhos):

17
Dão - Casa de Santar Reserva 2004 (10 €)
Alentejo - Cortes de Cima 2004 (10 €)


16,5
Dão - Quinta de Saes, Estágio Prolongado Reserva 2005 (9,95 €)
Douro - Quinta dos Aciprestes Reserva 2004 (9,80 €)
Terras do Sado - Só Syrah 2004 (9,50 €)


16
Alentejo - Alabastro Reserva 2004 (5,50 €)
Alentejo - Conde D’Ervideira Reserva 2005 (10 €)
Alentejo - Monte da Ravasqueira 2005 (6,50 €)
Alentejo - Vinha da Defesa 2005 (7,60 €)
Beiras - Casa D’Aguiar 2005 (6,50 €)
Dão - Cabriz Reserva 2004 (7 €)
Douro - Crasto 2006 (9,50 €)
Douro - Foral Grande Escolha 2004 (5,50 €)
Douro - Novus 2005 (7,50 €)
Douro - Prazo de Roriz 2005 (8,50 €)
Douro - Quinta do Portal 2005 (6,40 €)
Douro - Quinta de la Rosa 2005 (8,50 €)
Douro - Quinta do Vallado 2005 (6,99 €)
Estremadura - Grand’Arte, Alicante Bouschet 2005 (8 €)
Palmela - Quinta da Mimosa 2005 (6 €)
Terras do Sado - Periquita Reserva 2004 (8,50 €)


15,5
Alentejo - Borba Reserva 2003 (8,90 €)
Alentejo - Dom Martinho 2005 (7 €)
Alentejo - Foral de Évora 2005 (9,35 €)
Alentejo - Herdade do Pinheiro 2004 (7,15 €)
Alentejo - Monte das Servas, Colheita Seleccionada 2005 (7,60 €)
Alentejo - Vinha da Tapada Coelheiros 2005 (5,90 €)
Bairrada - Quinta do Encontro, Preto e Branco 2004 (7 €)
Dão - Quinta do Penedo 2006 (15,5 €)
Dão - Quinta dos Carvalhais 2004 (9 €)
Douro - Curva 2005 (6,20 €)
Douro - Domini 2004 (6,50 €)


15
Alentejo - ACR Reserva 2003 (Redondo) (6 €)
Alentejo - Casa de Santa Vitória 2005 (5,28 €)
Alentejo - Comenda Grande 2005 (6 €)
Alentejo - Herdade do Peso 2004 (9 €)
Estremadura - Quinta de Chocapalha 2005 (8,95 €)
Ribatejo - Quinta da Alorna, Castelão 2005 (4 €)
Terras do Sado - Adega de Pegões, Syrah 2005 (5,60 €)


Claro que nem todos os que estão aqui são do nosso agrado, nem todos são do nosso conhecimento em termos de prova. Mas que há muita coisa que vale a pena, sem dúvida que sim. É uma lista para referência futura.

Kroniketas, enófilo organizado

domingo, 4 de novembro de 2007

No meu copo 143 - CARM Reserva 2003

Inicialmente esta sigla (CARM) era usada pela Cooperativa Agrícola de Reguengos de Monsaraz, mas provavelmente uma distracção, um desleixo ou um esquecimento em registar o nome permitiu que mais tarde aparecesse este produtor a usar a mesma sigla e a anterior Carm teve de passar a usar a sigla CARMIM.
Temos, então, o nome CARM associado à Casa Agrícola Roboredo Madeira. Com quintas localizada em redor de Almendra, no Douro Superior, já perto de Espanha e dentro da Reserva Arqueológica do Vale do Côa, na mesma zona onde a Ramos Pinto tem a Quinta da Ervamoira e a Sogrape tem a Quinta da Leda, este é um dos produtores que nos últimos anos têm ganho notoriedade no Douro.
Tive há algum tempo a oportunidade de pela primeira vez provar um vinho desta casa, pelo que a expectativa era algo elevada. No entanto, não correspondeu completamente ao esperado. Apresentou-se bastante carregado na cor mas com um aroma algo discreto, corpo médio e prova de boca com alguns toques apimentados e alguma predominância de fruta madura, com boa persistência no fim de boca.
É um vinho que se bebe bem mas esteve longe de me encantar. Pode ter sido da garrafa ou de qualquer factor externo, mas não revelou a exuberância aromática que se poderia esperar. No entanto, tratando-se da primeira prova destes vinhos, reservamos uma segunda opinião para uma contraprova em próxima oportunidade. Ou então sou eu que não compreendo certos vinhos do Douro... Pode ser isso.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: CARM Reserva 2003 (T)
Região: Douro
Produtor: Casa Agrícola Roboredo Madeira
Grau alcoólico: 14%
Castas: Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz
Nota (0 a 10): 7

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Encontro com o Vinho e Encontro com os Sabores 2007



Começa amanhã na Feira das Indústrias e nós vamos estar lá a partir das 15 h.

tuguinho, Kroniketas e outros Comensais Dionisíacos

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Krónikas do Alto Alentejo (II)



A serra, a vinha, o montado

Aqui em Portalegre a vida corre mais devagar, há mais tempo para tudo (até para não fazer nada), e estou a 900 metros do local de trabalho, 2 minutos de carro e 12 minutos a pé, e na periferia da cidade já estou em pleno campo, com um quintal, oliveiras à porta, passarinhos a cantar de manhã. Mas no centro da cidade vêem-se, sobretudo, estudantes de capa e batina, supostamente da Escola Superior de Educação e da Escola Superior de Enfermagem. A semana passada deve sido tempo de praxe: uma rapariga tinha metade da cara pintada de roxo e outra tinha na cabeça umas orelhinhas do tipo-rato Mickey (porque raio não as tirou ela, pensei eu?).
Ir ao supermercado é quase como um passeio, não há quase ninguém, nem bicha nas caixas, e há quatro supermercados para aí num raio de 500 metros (Modelo, Intermarché, Leclerc e Lidl) e três bombas de gasolina, sendo que a do Leclerc vende combustível entre 10 e 15 cêntimos mais barato que as outras. Isto do outro lado da rotunda que as separa... Ali ao lado, a zona industrial com as poucas fábricas que restam, mais para a esquerda um estádio junto a um kartódromo e a zona onde se concentraram há duas semanas os jipes para a Baja de Portalegre, que vim a saber depois que já vai na 21ª edição e é um dos clássicos todo-o-terreno do país e uma das provas mais importantes. Quando saí para o regresso a casa eles andavam por ali, junto ao IP2, e o estacionamento nas bermas prolongava-se por quilómetros.
Aqui à volta a vinha é omnipresente, assim como a oliveira e o montado, este mais a caminho de Estremoz. Ainda se podem ver uns rebanhos a pastar perto da estrada. Empregos é que parece que nem por isso. Os lanifícios já tiveram a sua importância mas fecharam. À semelhança do resto do país, parece que o comércio e os serviços predominam. Só me pergunto é: se poucos produzem, como é que todos compram?
Subindo a serra de S. Mamede encontram-se várias propriedades vitícolas. Já passei à porta da Adega da Cabaça, da Quinta do Centro (de que o enólogo Rui Reguinga é um dos proprietários) e passei ao lado das Altas Quintas sem dar por isso. Ainda hei-de voltar e procurar também a Tapada do Chaves. E na Adega Cooperativa de Portalegre passo todos os dias...

Kroniketas, enófilo viajante

terça-feira, 30 de outubro de 2007

No meu copo 142 - Casal dos Jordões, Touriga Francesa 99


Comprei este vinho há seis anos e na altura decidi guardá-lo e ver como estaria algum tempo depois. Decidi abri-lo agora.
Este é um vinho de produção biológica, o que por si só não garante vinhos de excepção.
Contrariamente ao que se devia fazer, não o decantei, visto ser só eu a bebê-lo – se fosse decantado estragar-se-ia muito rapidamente; assim, com a rolha de vácuo, foi possível mantê-lo durante vários dias e degustá-lo completamente.
Quando o verti para o copo a cor, granada, surgiu forte, não revelando sinais de velhice.
O aroma, discreto, apresentou odores complexos fruto da evolução e um ligeiro bafio que logo se desvaneceu.
Na boca mostrou fruta de caroço muito madura (ameixa, predominantemente), com taninos presentes mas redondos e madeira muito suave. O corpo primou pela elegância – este vinho não nos tenta esmagar com a sua força, antes nos tenta convencer pela astúcia.
O fim de boca foi médio, mas persistente, ajudado pelos taninos ainda presentes.
Este Casal dos Jordões - Touriga Francesa é pois um bom vinho do Douro, que joga na discrição o que outros apostam na exuberância. Embora, como se pode constatar pela nota de prova, o vinho estivesse óptimo ainda, bebê-lo com dois anos a menos seria o que eu aconselharia aos leitores.

tuguinho, enófilo esforçado

Vinho: Casal dos Jordões, Touriga Francesa 1999 (T)
Região: Douro
Produtor: Arlindo da Costa Pinto e Cruz
Grau alcoólico: 12%
Castas: Touriga Francesa
Preço em feira de vinhos: 12 €
Nota (0 a 10): 7,5

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

No meu copo 141 - Terra Quente 99

Há muitos anos, nas férias, em casa dum amigo, ele trouxe para a mesa um vinho de Valpaços de nome Terra Quente. Na altura eu nem sabia que havia vinho em Valpaços. O jantar era uma carne no forno, bem temperada, a pedir um vinho pujante.
Pois este Terra Quente deixou-me siderado, com um corpo fortíssimo, pujante, aroma vinoso, grande persistência, uma surpresa saída do nada...
Ainda bebi mais umas quantas vezes mas depois o vinho desapareceu. Julguei que já não existia, até que há um ano, nas feiras de vinhos, encontrei umas garrafas da colheita de 99 no Feira Nova. Comprei duas, para ver como ele estava. Claro que sem demasiadas expectativas.
Nas férias lá abri uma das garrafas, na noite dos vinhos transmontanos. Ainda tentei encontrar alguns resquícios do que me lembrava nele de há uns 10 anos, mas já não tinha a exuberância de outros tempos, com um corpo já delgado e o aroma muito evoluído. Um pouco à semelhança do Bons Ares de 99, referido no post anterior, já em curva descendente. Ainda se houvesse por aí uma colheita recente, para tirar dúvidas...

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Terra Quente 99 (T)
Região: Trás-os-Montes
Produtor: Adega Cooperativa de Valpaços
Grau alcoólico: 12,5%
Castas: Trincadeira Preta, Tinta Carvalha, Mourisca, Aragonês
Preço em feira de vinhos: 2,99 €
Nota (0 a 10): 6

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

No meu copo 140 - Bons Ares 99


Este estava guardado há algum tempo. Tempo demais, porventura. Foi comprado em 2003, esperou 4 anos. Mas embora tenha mostrado já sintomas de algum declínio, não deixou de revelar todo o seu potencial, que faz dele um dos meus preferidos na região de Douro e Trás-os-Montes.
Já tínhamos falado da colheita de 2002, provada em restaurante, e este, mesmo denotando já algum cansaço, ainda apresentou alguma da pujança que o caracteriza e bateu-se claramente com o José Preto, falado no post anterior, e com o que falaremos no post seguinte.
Os aromas ainda estavam lá, embora com alguma evolução, a persistência também, ainda com bom corpo e cor muito concentrada, embora tudo muito mais discreto. Já não tinha toda a pujança nem a exuberância aromática que habitualmente ostenta quando está no ponto ideal, mas não engana.
E foi por isso que na primeira oportunidade (leia-se feira de vinhos) tratei logo de adquirir a colheita mais recente à venda. Porque este nunca pode faltar, e agora não vou esperar mais 4 anos para prová-lo.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Bons Ares 99 (T)
Região: Trás-os-Montes
Produtor: Ramos Pinto
Grau alcoólico: 13%
Castas: Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon
Preço em feira de vinhos: 11,79 €
Nota (0 a 10): 7

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

No meu copo 139 - José Preto 2004


Tinha alguma expectativa em relação a este vinho. O tuguinho já tinha comprado uma garrafa e o ano passado resolvi também comprar uma. Tive oportunidade de prová-lo num dos jantares de férias e fiquei desiludido. As referências que tenho dos vinhos de Trás-os-Montes fora da denominação de origem Douro são geralmente bastante boas, bem acima da média (lembremo-nos do Valle Pradinhos e do Bons Ares, por exemplo).

Este José Preto de 2004, saído da adega do produtor em Sendim, Miranda do Douro, apresentado como o primeiro VQPRD do Planalto Mirandês, ficou aquém das expectativas. Aroma pouco pronunciado, algo delgado de corpo, um daqueles vinhos que nos deixam em dificuldades para escrever sobre ele. Não que seja mau, mas também não se pode dizer que seja verdadeiramente bom. Ficamos pelo sofrível... Não nos deixa grandes memórias...

Kroniketas, enófilo esclarecido



Vinho: José Preto 2004 (T)
Região: Planalto Mirandês
Produtor: José Francisco Lopes Preto
Grau alcoólico: 13%
Castas: Touriga Franca, Touriga Nacional, Mourisco Tinto
Preço em feira de vinhos: 4,89 €
Nota (0 a 10): 5

Krónikas do Alto Alentejo (I)

Uma temporada em Portalegre

Cheguei Domingo à noite para umas semanas de trabalho. A antena parabólica não está ligada e a ligação à Internet sem fios da Zapp não funciona.
Sinto-me como se tivesse voltado à pré-história...

Kroniketas, um alentejano do sul na capital mais a norte

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Feiras de vinhos 2007 - As nossas compras

Este ano, por excesso de stock remanescente dos anos anteriores, tentámos reduzir a quantidade de compras nas feiras de vinhos, apostando mais na reposição de produtos em falta, daqueles que nunca podem faltar, e em algumas novidades que ainda não nos passaram pelo estreito. Mesmo assim, ainda se juntou uma quantidade significativa, que tentaremos gastar nos próximos 12 meses.
Como habitualmente, tentámos obter o melhor preço para cada marca, depois de comparados os catálogos e os preços dos vários hipermercados. Segue-se a lista.
A indicação dos preços e locais de compra corresponde ao mais barato que foi encontrado. No caso do Prova Régia, por exemplo, o stock no Jumbo esgotou rapidamente, pelo que foi comprado no Continente por mais 2 cêntimos.

Região
Marca - Preço - Local

Alentejo
Esporão Duas Castas (Arinto+Antão Vaz) (B) - 7,95 € - Corte Inglês
Altas Quintas (T) - 19,90 € - Continente
Altas Quintas Crescendo (T) - 7,95 € - Corte Inglês
Cortes de Cima (T) - 9,87 € - Jumbo
Dona Maria (T) - 6,75 € - Jumbo
Dona Maria Amantis (T) - 12,95 € - Jumbo
Herdade dos Grous (T) - 7,85 € - Corte Inglês
Herdade Perdigão Reserva (T) - 18,98 € - Jumbo
Lima Mayer (T) - 9,99 € - Continente
Quinta da Amoreira da Torre, Reserva (T) - 12,45 € - Corte Inglês
Reguengos Garrafeira dos Sócios (T) - 10,90 € - Carrefour
Roquevale (T) - 5,89 € - Jumbo
Tinto da Talha Grande Escolha (T) - 5,79 € - Jumbo
Vinha do Almo Escolha (T) - 9,59 € - Continente


Beiras
Luís Pato Vinhas Velhas (T) - 14,95 € - Corte Inglês

Bucelas
Bucellas Caves Velhas (B) - 3,49 € - Corte Inglês
Prova Régia, Arinto (B) - 2,97 € - Jumbo


Dão
Cabriz, Colheita Seleccionada (B) - 2,79 € - Feira Nova
Outono de Santar, Vindima Tardia (B) - 8,85 € - Jumbo
Quinta de Saes Reserva (B) - 5,95 € - Corte Inglês
Quinta do Cerrado, Malvasia Fina (B) - 4,65 € - Corte Inglês
Cabriz Reserva (T) - 6,90 € - Feira Nova
Casa de Santar Reserva (T) - 9,79 € - Continente
Milénio, Touriga Nacional e Aragonês (T) - 2,99 € - Continente
Porta dos Cavaleiros Reserva (T) - 4,95 € - Corte Inglês
Quinta de Cabriz, Touriga Nacional (T) - 12,85 € - Jumbo
Quinta do Sobral Reserva (T) - 6,25 € - Jumbo


Douro
Muxagat (B) - 7,59 € - Corte Inglês
Apegadas Quinta Velha, Reserva (T) - 14,45 € - Corte Inglês
Duas Quintas Reserva (T) - 19,59 € - Continente
Duas Quintas Celebração, Quinta da Ervamoira (T) - 9,85 € - Jumbo
Esmero (T) - 14,85 € - Jumbo
Maria Mansa (T) - 4,48 € - Jumbo
Quinta do Infantado (T) - 6,49 € - Continente
Quinta do Portal Reserva (T) - 12,78 € - Continente
Quinta dos Quatro Ventos (T) - 9,78 € - Continente
Ramos Pinto Collection (T) - 12,75 € - Jumbo
Sogrape Reserva (T) - 10,74 € - Jumbo


Estremadura
Quinta de S. Francisco (B) - 2,45 € - Corte Inglês
Quinta das Cerejeiras, Reserva (T) - 9,95 € - Corte Inglês
Quinta de D. Carlos (T) - 4,72 € - Jumbo
Quinta de Pancas, Caberbet Sauvignon (T) - 6,98 € - Continente
Sanguinhal, Cabernet e Aragonês (T) - 3,75 € - Corte Inglês


Ribatejo
Quinta da Alorna (B) - 2,79 € - Feira Nova
Quinta da Alorna, Touriga Nacional (R) - 4,49 € - Continente
Fiúza Premium (T) - 8,75 € - Corte Inglês
Vinha do Alqueve (T) - 4,98 € - Continente


Távora-Varosa
Murganheira Seco (B) - 3,49 € - Continente

Terras do Sado
Adega de Pegões Colheita Selecionada (B) - 2,99 € - Jumbo
Catarina (B) - 3,48 € - Continente
João Pires (B) - 4,45 € - Corte Inglês
Adega de Pegões Colheita Selecionada (T) - 5,99 € - Jumbo
Casa Ermelinda Freitas, Alicante Bouschet (T) - 7,98 € - Jumbo
Casa Ermelinda Freitas, Syrah (T) - 7,98 € - Jumbo
Periquita Reserva (T) - 6,25 € - Jumbo
Quinta do Peru (T) - 12,45 € - Corte Inglês


Trás-os-Montes
Bons Ares (T) - 11,79 € - Continente

Vinho Verde
Borges, Alvarinho (B) - 7,15 € - Corte Inglês
Deu-La-Deu, Alvarinho (B) - 5,29 € - Continente
Portal do Fidalgo, Alvarinho (B) - 5,25 € - Jumbo
Quinta do Ameal (B) - 5,35 € - Corte Inglês
Reguengo de Melgaço, Alvarinho (B) - 7,99 € - Continente


Espumantes
Cabriz (B) - 5,99 € - Continente
Quinta do Boição, Arinto Reserva Bruto (B) - 7,49 € - Continente
Vértice Reserva Bruto (B) - 9,85 € - Jumbo


França
Saga R (B) - 6,39 € - Jumbo
Chateauneuf-du-Pape (T) - 9,64 € - Jumbo


Itália
Civ & Civ, Lambrusco di Modena (R) - 2,18 € - Corte Inglês
Montebérin Lambrusco di Modena (R) - 4,59 € - Jumbo


tuguinho e Kroniketas, os diletantes preguiçosos

sexta-feira, 5 de outubro de 2007

No meu copo, na minha mesa 138 - Quinta da Alorna rosé, Touriga Nacional 2006; Restaurante Al Dente (Alvor)




Os brancos e rosés de férias (V)

Uma das incursões de férias, como já vem sendo habitual, foi a um restaurante italiano (também houve uma a um restaurante indiano, mas essa não é para aqui chamada; aliás, não saberia o que dizer...). Já tínhamos ficado de olho nele o ano passado, numa passagem por Alvor, e desta vez fomos mesmo lá.
O espaço é amplo e frondoso, numa espécie de esplanada interior, a dar para uma varanda que pode ser destapada nas noites mais quentes (não foi o caso deste Verão, certamente), salpicada por várias pequenas árvores espalhadas pelo recinto. Como é habitual na época, mesmo com mesa marcada espera-se... e espera-se... e espera-se... até nos podermos sentar e até sermos atendidos e poder começar a refeição. Mas quanto a isso, já percebi que não há nada a fazer. É ir preparado para começar às 10 da noite.
De qualquer modo, acabou por valer a pena a espera. A ementa é bastante variada, com várias carnes para além da enorme profusão de massas e pastas. E assim se pediram coisas tão variadas como macarrão tostado, regina gratinata, bifinhos de porco panados, bife Veneza, involtini e se terminou com tiramisu, crepe com chocolate e crepe com mel e nozes. E toda a gente ficou agradada com a qualidade da confecção.
O atendimento também é simpático e eficiente, descontado o tempo de espera já referido.
E para acompanhar tão variadas iguarias, a pedido de várias famílias fomos para o rosé. Porque era Verão, porque era comida italiana. As opções não eram muitas e resolvi estrear este Quinta da Alorna, que não conhecia. Agora que os rosés estão na moda e que se faz vinho rosé um pouco por todo o país, já quase não há um produtor conceituado que não tenha o seu rosézito. E este saiu muito bem. Bastante aromático, ligeiramente floral e com predominância de frutos vermelhos no aroma e no paladar (sente-se ali um toque a morangos ou framboesa), medianamente encorpado e muito fresco na prova de boca, com alguma persistência a marcar um final suave e seco. Uma boa surpresa para primeiras impressões.
Claro que saindo das mãos do enólogo Nuno Cancella de Abreu só podia ser bom. Não o tenho visto por aí à venda, mas vou ficar atento.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Quinta da Alorna 2006 (R)
Região: Ribatejo (Almeirim)
Produtor: Quinta da Alorna Vinhos
Grau alcoólico: 13%
Casta: Touriga Nacional
Preço no restaurante: 12 €
Nota (0 a 10): 7,5

Restaurante: Al Dente (italiano)
Quinta da Praia, Lote 4 - Loja 16
8500 Alvor
Telef: 282.457.555
Preço médio por refeição: 20 €
Nota (0 a 5): 4

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Encontro com o vinho e os sabores 2007

Já estão anunciadas pela Revista de Vinhos as datas de realização do próximo evento: 3 e 4 de Novembro para o público em geral. O que significa que teremos dois fins-de-semana consecutivos altamente vínicos: no anterior será o encontro de eno-blogs. E, ou muito me engano, ou pelo meio ainda é capaz de haver o Festival de Gastronomia de Santarém.
Muita actividade gastronómica vai haver por esses dias...

Kroniketas, eno-gastrónomo

sábado, 29 de setembro de 2007

No meu copo 137 - Terra Franca rosé 2005

Os brancos e rosés de férias (IV)

Este também foi aberto numa tarde de Verão com grelhados. Embora não seja desagradável, apresentou um aroma algo discreto e paladar ligeiramente frutado e seco. Não pareceu capaz de grandes voos. Mesmo pelo pouco preço que custou, acaba por não merecer o gasto e realmente parece não ter tido grande investimento por parte da empresa.
Enfim, não deixou memórias.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Terra Franca 2005 (R)
Região: Regional Beiras
Produtor: Sogrape
Grau alcoólico: 12%
Castas: Baga, Rufete, Tinta Barroca, Touriga Franca
Preço em feira de vinhos: 1,88 €
Nota (0 a 10): 5